Arquivos de Categoria: Receitas

Tartelete de Pão Australiano
Receitas

Tartelete de Pão Australiano

Mini tarteletes de pão australiano com doce de leite cremoso decoradas com frutas.

Custo da Receita
Custo da
receita
R$ 19.50
Preço Sugerido
Preço de venda
sugerido
R$ 65.00
Serve Até
Serve
até
4 pessoas
Tempo de Preparo
Tempo
de preparo
25 minutos
Rendimento da Receita
Rendimento total
da receita
225 g

PREPARO

1. Com um cortador redondo, cortar as fatias de pão em pequenos círculos. Levar ao forno para que fiquem crocantes.

2. Colocar o doce de leite em um saco de confeitar e colocar um pingo em cima de cada pãozinho.

3. Acrescentar as nozes e decorar com a physalis.

INGREDIENTES

QTEPRODUTOCUSTO/R$
1 unPão Australiano ARYZTA5,30
200 gDoce de Leite12,00
10 gNozes1,12
36 mlPhysalis1,95
VALOR TOTAL19,50
Produto pronto para uso

Produto
pronto para uso

Economia de tempo
do preparo

Dispensa espaço de armazenamento de ingredientes e equipe especializada

Reduzir o tempo de espera do cliente

Produto já porcionado

Produto já
porcionado na
embalagem

Reduzir desperdícios

Permite planejamento do uso conforme consumo

Alto valor agregado

Alto valor
agregado

Receita em alta

Desperta curiosidade

Gera experimentação

Co-brands

Co-brands

Possibilidade de incluir marcas no preparo e agregar ainda mais valor a sobremesa

    Insira seus dados abaixo para receber o e-book de Comunicação Digital e mais conteúdos do Burgueração:

    ARYZTA

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.

    Há exatamente um ano, o país entrava em sua maior crise sanitária em mais de um século. E entre tantas incertezas e previsões pessimistas, a pandemia foi o que incentivou o setor de food service a se mexer e embarcar de vez na aceleração digital, criando novas jornadas de consumo e estimulando novos hábitos.